Avançar para o conteúdo principal

Feist na Dança do Som




Ela vem lá da outra terra. Do outro mundo. Mas daquele mais lá para cima. Aquela terra onde a criminalidade não faz parte do pão nosso e onde toda a gente é bilingue quer queira quer não. E com ela trouxe uma guitarra de seis cordas, umas pernas esguias, uma franja longuíssima e uma voz tão doce e extasiante que leva até o mais durão a um sentimento de pura locomoção. Já lançou quatro álbuns, sendo que o último, ainda que não seja feito dessa matéria, traz no nome todo um poderosíssimo magnetismo envolvente. Feist é o seu nome.

Por Ana Luísa Silva

Aos 35 anos de idade, Leslie Feist pode bem dizer que já viveu bem a vida e que a mesma lhe sorriu constantemente. Começou a sua carreira, nada mais nada menos do que a pertencer a uma banda chamada – admire-se! – Placebo. Garantimos que a mesma nada tinha a ver com a presentemente reconhecida banda de Brian Molko, ainda que isso lhe suscite alguma dúvida.

Corria o ano de 1999, quando a menina do Canadá, pegou na guitarra e assumiu a liderança num grupo musical chamado By Divine Right. Como se isso não bastasse, ainda teve a sorte de dividir apartamento com Peaches que – já naquela altura saudavelmente tresloucada cantora electro-punk – a convida para um excêntrico concerto ao vivo, a apresenta ao produtor Gonzales e a ajuda a dar um pulinho até pertencer à banda Broken Social Scene.

Gonzales e Feist começam a trabalhar juntos em originais e em covers de Bee Gees ou mesmo Ron Sexsmith. Os primeiros originais levaram a “Let It Die”, lançado pela primeira vez em 2004, que só ganha bom nome graças ao single “Mushaboom”. O álbum não foi nenhum “blockbuster” da música, mas foi vendendo bem ao longo do seu crescimento. “The Reminder”, esse álbum de chumbo que, em 2007 se tornou um hit graças a “1234” e ao seu colorido vídeo.



2008 foi o ano guerreiro de Feist já que foi nomeada para quatro Grammy e ganhou cinco prémios Juno.

Lançou recentemente “Metals”, esperado pelo público há já algum tempo e é já no próximo mês que estará em Lisboa e no Porto para cantar e encantar os presentes e a todos aqueles que não puderam estar lá mas que receberão telefonemas da praxe nas músicas do coração.|

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …